Edição 60 – Consolidação

12 de Janeiro de 2021 – Ano 3 – Edição 0060 – Factual – Autor: Marcelo Marini

Provações

Após um fim de ano eufórico com as expectativas das vacinações acelerando em 2021, os mercados retomaram a sua tendência de alta. Os investidores costumam ver os mercados com uma perspectiva que antecede o momento presente, podemos dizer que o mercado hoje precifica a expectativa de preços dos próximos 6 meses.

De tal forma que, uma notícia encarada como ruim no curto prazo cria movimentos fortes nas ações quase que instantaneamente e levam até 2-3 dias para ganharem a devida dimensão.

Ademais, isolados e pequenos movimentos podem causar um grande impacto em algumas horas, como uma formação de onda de um ponto à outro. Uma simples ordem de venda pode levar o sistema ao colapso em poucas horas. As notícias também tem este impacto, no entanto, necessitam de confirmação para terem o viés da certeza. O que não preocupa o investidor inteligente.

2021 será um ano de provações, devido às expectativas altas em relação à ele.

Não há dúvidas que com a aproximação de uma nova crise financeira mundial os empresários e investidores precisarão debruçar-se sobre a sua diversificação e usufruir dos seus benefícios.

Consolidação

Os investidores esperarão a consolidação de suas expectativas, tais como, a vacinação e o início do fim da COVID. Devido a liberdade que possuímos hoje, o cenário político é secundário, graças às construções dos silenciosos obreiros da liberdade. Sem pai, figura ou presidente.

Como normalmente os planos não saem como imaginamos na nossa mente extremamente racional e previsível, a vida dará risada dos nossos anseios e será o que haverá de ser. Caso as expectativas dos investidores não forem correspondidas, migraremos de expectativas em alguns dias, buscando uma nova saída racional para a problemática. Estas provações continuarão ocorrendo ao longo da história enquanto a nossa liberdade condicional for mantida, contudo, ela só faz sentido quando nos beneficiam em algo pessoal ou humanitariamente (como raça).

Sabendo disto, o investidor inteligente deverá colocar-se longe das expectativas, posicionar a parte densa do seu portfólio através da razão do que lhe convir (uma vez que não é possível conhecer o que faz sentido para cada um e o investidor precisa trabalhar sobre a sua pedra bruta, lapidá-la e partir para a sua próxima decisão financeira) – obviamente medindo os impactos das decisões tomadas. Não obstante, deve posicionar uma parte do seu portfólio para beneficiar-se do caos, sempre presente nos mercados, como relatado acima.

Mercados

Não há como sabermos o que acontecerá, nem intuitivamente (por sucumbência das infinitesimais variáveis e forças universais) nem muito menos por estatística, que nada mais é do que a tentativa de prever o imprevisível, fato comprovado estatisticamente mas ainda não na margem.

Entre acertos e erros o que importa é a representatividade de um frente o outro e não o número de ocorrências, aí incorremos na nossa inabilidade de saber quantas moedas colocar na mesa momento a momento.

Na história do risco temos o que é previsível e depende de um certo conhecimento e o que é imprevisível e depende de sorte (colocação de ação às provações).

Nos mercados financeiros e de ações temos a intersecção de ambos.

Ao que é não certo e previsível precisamos nos ater ao certo conhecimento, comprovado de diferentes formas mas com ganho marginal. Ao que é imprevisível devemos nos expor a convexidade, não obstante, os ganhos de exposição em determinado momento superarão as perdas eventuais. Levado ao cotidiano temos a chances de sucesso do indivíduo coletando moedinhas no trilho do trem e a perda incorrida potencial, como bem expressou Taleb.

Atualmente

É desta forma que o Investidor Inteligente deve se expor, presumindo a sua inabilidade de prever o imprevisível deve expor aos riscos que vale a pena correr.

O mercado de ações deverá continuar antecedendo os próximos 6 meses, os holofotes permanecerão na COVID e nos seus impactos, em suma, quanto maior o tempo de lockdown maiores os prejuízos aos negócios da economia antiga e potencialmente maiores as chances de retornos acima da média aos negócios descorrelacionados da nova economia. Neste momento não há como argumentar contra os ativos de risco.

A cada mês tentaremos responder às suas perguntas mais frequentes. Embora leiamos todos os e-mails, observe que não oferecemos conselhos personalizados.  Você pode enviar as suas perguntas para feedback@intelligentinvestors.com.br.

Adorei a imersão e a contextualização. Como você enxerga o futuro da Cannabis no mercado brasileiro? Abraço.

Obrigado pela pergunta, considero ainda insipiente e não acredito que irá se desenvolver em forma de regulação nos próximos anos. O treinamento para investir neste tipo de ativo terá início no dia 4 de fevereiro através do curso Investimentos do Futuro, às inscrições estão abertas.

Tem dica de fundo da soja?

Obrigado pela pergunta mais uma vez. Conforme nossos termos de uso não prestamos serviço de aconselhamento nem recomendação de investimentos, assim sendo não oferecemos dicas, relatórios ou análises financeiras, entre outros. Existem alguns fundos que se posicionam em commodities o que poderá ser consultado através da busca através da plataforma da sua corretora, em especial a este assunto, mas de forma indireta o Riza Terrax é um fundo de Investimentos imobiliário que investe em áreas rurais.

Atenciosamente

Marcelo

About the author: Marcelo Marini PRO